Artigos

Conheça nosso Blog ACESSE AGORA

Pilates x Bursite

Nas articulações existem pequenas estruturas com o formato de bolsas que armazenam líquidos sinoviais. São as chamadas bursas, que têm funções de proteção e amortecimento, destinando-se a reduzir o atrito entre os ossos e a evitar que os tecidos moles ao redor (musculaturas, ligamentos e tendões) sofram pressão excessiva.

Em decorrência de variados motivos as bursas podem sofrer inflamações, instalando-se assim, as denominadas bursites. Dentre as principais causas das bursites destacam-se os traumatismos locais, o excesso de movimentos repetidos, as lesões por esforços musculares, as artroses e demais problemas articulares.

Quando ocorre uma bursite, as paredes da bursa atingida tornam-se mais espessas e passam a produzir mais líquido. Isso resulta em inchaço local, rigidez, irritação da pele, compressão das estruturas adjacentes e dores, sentidas principalmente ao movimentar a região afetada.

O corpo humano possui várias bursas, distribuídas em locais estratégicos. Algumas delas apresentam maior incidência de inflamações, tais como: cotovelos, punhos, dedos, quadris, joelhos, tornozelos, pés e principalmente nos ombros, por ter grande quantidade de bursas contidas nesta região.


Bursites são condições normalmente temporárias, mas podem se tornar crônicas.

A bursite aguda não infecciosa habitualmente é tratada com repouso, imobilização temporária da articulação afetada e um anti-inflamatório não esteróide. Por vezes, podem ser precisos analgésicos mais fortes. Como alternativa, pode se injetar diretamente na bolsa uma mistura de um anestésico local e um corticosteróide. Quando diminui a dor, a prática de exercícios específicos é útil para aumentar o grau do movimento articular.

O tratamento da bursite crônica é semelhante, embora seja menos provável que tanto o repouso como a imobilização sejam eficazes. As bursites que limitam a função dos membros podem ser aliviadas por meio de injeções de corticosteróides juntamente com fisioterapia intensiva, para restabelecer o funcionamento da articulação.

Uma vez controlada a dor, deve ser iniciado o trabalho de prevenção e/ou correção dos fatores causais. Como houve muito desconforto, os movimentos acabam limitados e se dá um quadro de tensão e fraqueza muscular. Comprometendo as atividades da vida diária.

Com a prática do Pilates, a qualidade e o equilíbrio muscular serão enfatizados através de exercícios específicos e holísticos de força, flexibilidade e estabilização.

Os braços, pernas e quadris estarão mais preparados para suas funções, a coluna estará mais alinhada, alongada e fortalecida. Haverá um reequilíbrio dos músculos esqueléticos de forma geral e a ergonomia será otimizada, conduzindo a uma redução considerável dos impactos nas articulações, sobretudo nas bursas, amenizando o atrito e as inflamações.

E por ser uma patologia de frequência recidivante, se não for corrigida as suas causas subjacentes elas podem se desenvolver com mais frequência. Por este motivo, exercícios como o Pilates são muito importantes, ajudam a reforçar os músculos enfraquecidos e restabelecer o grau completo do movimento articular estabilizando e prevenindo dores.

Quer saber mais? Então clique aqui e veja todos os artigos publicados.